"Os espelhos estão cheios de gente.
Os invisíveis nos vêem.
Os esquecidos se lembram de nós.
Quando nos vemos, os vemos.
Quando nos vamos, se vão?"
Eduardo Galeano: Espelhos

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Obrigado, senhor

A construção da Torre de Babel, Pieter Bruegel, o jovem

Na Babilônia, a cidade maldita, que segundo a Bíblia foi puta e mãe de putas, estava sendo erguida aquela torre que era um pecado da arrogância humana.

E o raio da ira não tardou: Deus condenou os construtores a falar línguas diferentes, para que nunca mais ninguém pudesse se entender com ninguém, e a torre ficou para sempre pela metade.

Segundo os antigos hebreus, a diversidade das línguas humanas foi um castigo divino.

Mas talvez, querendo castigar-nos, Deus nos tenha feito o favor de salvar-nos da chatice da língua única.

GALEANO, Eduardo. Espelhos: uma história quase universal. Porto Alegre: L&PM, 2015. p. 38.

2 comentários:

  1. Agora que terminei o livro, começo a ler seu blog e já me encanto - obrigada por isso, Orides!

    ResponderExcluir