"Os espelhos estão cheios de gente.
Os invisíveis nos vêem.
Os esquecidos se lembram de nós.
Quando nos vemos, os vemos.
Quando nos vamos, se vão?"
Eduardo Galeano: Espelhos

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Por ti América

Mulher índia, Orozco

ஐ Canto ancestral ஐ

Oh! Grande Espírito Manitu!
   Que nos presenteou com a
   cerimonial Teotihuacán
   imponente Tenochtitlán!

Terra de homens e deuses:
   Talude da Grande Serpente
   livro sagrado Popul Vuh
   “Filhos do Sol” da sagrada Machu Picchu

Nazca de mágicas linhas traçadas
    pueblos encravados
    petróglifos rasgados
    nos rochedos!

Quipus contam contas
   milhos abóboras batatas
   verdes chinampas
   codex de vidas cotidianas!

Sopro de Quetzalcoatl
   sangue para Huitzilopochtli
   luas e sóis piramidais
   portais de luas e sóis em cantares ancestrais.

ஐ Canto violado ஐ


Malinches oferecem corpos sedutores
   aos conquistadores
   encomenderos
   d’almas desfiguradas de profanadores!

Cicatrizes infinitas:
   filhos pisoteados por monstros de quatro patas
   guerreiros-jaguares atravessados pelo fio de espadas de aço
   plumas de quetzal adormecidas! 

ஐ Canto barroco ஐ

Desvirginizada pelas plazas
   erguem-se igrejas ornadas de ouro
   sob pedras imemoriais com sangue estuprado
   dos índios nas minas de Potosi!
  
ஐ Canto insurgente ஐ

Veias abertas
   corpos em transe nas santerias
   rebeliões haitianas
   idealismos sandinistas...

Centenas de Chiapas
   tenazes araucanos
   cotidianos maroons
   Black Hills de Cavalos Doidos...

ஐ Canto resistente ஐ

Mãos calejadas
   nos monumentais murais de Diego Rivera
   nas pinceladas coloridas de Frida Khalo ferida/dolorida
   na poesia de Neruda...

Corpos entrelaçados
   na sedutora rumba
   no erótico tango
   nas canções de Mercedes Sosa...

Corações pulsantes
   na luta mítica de Che Guevara
   na carta do Cacique Seatlle
   nas mães da Plaza de Mayo...

Por ti América
   na resistência dos povos ancestrais
   na mestiça afro americana dor
   Nuestra America de tantos gozos!

© 2016 by Orides Maurer Jr.

MAURER JR., Orides. O olhar do historiador: vidas cotidianas. Curitiba: Liberum, 2016. p. 126-9.